你使我的日子窄如手掌,我的一生在你面前如同無有;各人站得最穩的時候,也只不過是一口氣。(細拉) Salmos 39:5因為被造的萬物服在虛空之下,不是自己願意這樣,而是由於使它屈服的那一位; Romanos 8:20

Versículos de hoje

Eis que fizeste os meus dias como a palmos; o tempo da minha vida é como nada diante de ti; na verdade, todo homem, por mais firme que esteja, é totalmente vaidade. (Selá.) Salmos 39:5

Porque a criação ficou sujeita à vaidade, não por sua vontade, mas por causa do que a sujeitou, Romanos 8:20

NOSSA ALEGRE FÉ

Leia:
Salmo 97:1, Deus, o Senhor do mundo
O Senhor Deus é Rei.
Alegre-se a terra!
Fiquem contentes, ilhas dos mares!

9-12

9Ó Senhor, Deus Altíssimo,
tu governas o mundo inteiro,
tu estás acima de todos os deuses.

10Vocês, que amam a Deus, o Senhor, odeiem o mal;
ele protege a vida
dos que lhe são fiéis
e os livra do poder dos maus.
11A luz ilumina a vida dos honestos,
e a alegria ilumina o caminho
dos que obedecem a Deus.
12Que o Senhor seja a alegria
de vocês que são obedientes a ele!
Que o Santo Deus seja louvado!

Imagine na velhice se tornar um refugiado; ser retirado violentamente de onde se vive e ficar num lugar estranho, sem família, igreja ou aposentadoria. Foi o que aconteceu com Maria, com 68 anos. Ela me escreveu dizendo do seu sentimento de perda, sobre estar longe da família e da igreja e de estr no meio de tantos vizinhos não cristãos. Ainda assim, as experiências dolorosas da vida de Maria não a transformaram numa pessoa amarga. Na verdade, ela ficou ainda mais animada.Recentemente, ela iniciou um grupo de estudo bíblico em seu bairro, e ora para alcançar ainda mais pessoas com o evangelho. Maria fala da presença de Deus em sua vida.Um telefone celular é inútil fora da sua área de cobertura. Mas a graça de Deus não é assim. Se pertencemos ao Senhor, nunca estamos fora da sua área de cobertura. Não apenas geograficamente, mas também nas situações difíceis da vida.Independentemente das circunstâncias, o Senhor sempre reina, e seu reinado de amor se estende a todos os cantos da terra e sobre todas as áreas da nossa vida. Deus nos protege, pois somos seus filhos. Ele nos nutre com sua Palavra e nos encoraja com seu Espírito. É isso que faz do cristianismo bíblico algo tão positivo e alegre! Pense:
Estamos sempre dentro da área de cobertura do amor de Deus.

Ore:
Senhor, o teu reinado de amor nos alegra. Louvamos-te por salvar as nossas vidas e nos livrar do mal! Sê conosco em nossa jornada de fé e que possamos servir-te com alegria. Em nome de Jesus. Amém.

Jesus foi outra vez à sinagoga. Estava ali um homem que tinha uma das mãos aleijada

Marcos 3:1-19
Jesus e o homem da mão aleijada
Mateus 12.9-14; Lucas 6.6-11
1Jesus foi outra vez à sinagoga. Estava ali um homem que tinha uma das mãos aleijada. 2Estavam também na sinagoga algumas pessoas que queriam acusar Jesus de desobedecer à Lei; por isso ficaram espiando Jesus com atenção para ver se ele ia curar o homem no sábado. 3Ele disse para o homem:
– Venha cá!
4E perguntou aos outros:
– O que é que a nossa Lei diz sobre o sábado? O que é permitido fazer nesse dia: o bem ou o mal? Salvar alguém da morte ou deixar morrer?
Ninguém respondeu nada. 5Então Jesus olhou zangado e triste para eles porque não queriam entender. E disse para o homem:
– Estenda a mão!
O homem estendeu a mão, e ela sarou. 6Logo depois os fariseus saíram dali e, junto com as pessoas do partido de Herodes, começaram a fazer planos para matar Jesus.
Jesus cura outros doentes
7Jesus e os discípulos foram até o lago da Galiléia. Junto com ele ia muita gente da Galiléia, da Judéia, 8de Jerusalém, da Iduméia, do lado leste do rio Jordão e da região de Tiro e de Sidom. Todos iam ao encontro de Jesus porque ouviam falar a respeito das coisas que ele fazia. 9Jesus pediu aos discípulos que arranjassem um barco para ele a fim de não ser esmagado pela multidão. 10Pois ele estava curando tanta gente, que todos os doentes se juntavam em volta dele para tocá-lo. 11E as pessoas que tinham espíritos maus, ao verem Jesus, caíam aos pés dele e gritavam:
– O senhor é o Filho de Deus!
12Mas Jesus proibiu duramente os espíritos de dizerem quem ele era.
Jesus escolhe os doze apóstolos
Mateus 10.1-4; Lucas 6.12-16
13Jesus subiu um monte, chamou os que ele quis, e eles foram para perto dele. 14Então escolheu doze homens para ficarem com ele e serem enviados para anunciar o evangelho. A esses doze ele chamou de apóstolos. 15Eles receberam autoridade para expulsar demônios. 16Os doze foram estes: Simão, a quem Jesus deu o nome de Pedro; 17Tiago e João, filhos de Zebedeu (a estes ele deu o nome de Boanerges, que quer dizer “Filhos do Trovão”); 18André, Filipe, Bartolomeu, Mateus, Tomé, Tiago, filho de Alfeu; Tadeu, Simão, o nacionalista; 19e Judas Iscariotes, que traiu Jesus.

Ocorre uma segunda cura na sinagoga de Cafarnaum e de novo num dia de sábado (1:21). A esse enfermo, cuja mão está ressequida, o Senhor pede que faça precisamente aquilo que é incapaz de fazer. Mas, ao começar a obedecer, ele dá prova de sua fé, e é esta fé que permite ao Senhor curá-lo. Observemos a dureza de coração dos que estão presentes. Em lugar de se alegrarem com o homem que foi curado e admirar o poder do Senhor, esses homens malvados tomam esse milagre como pretexto para tentar matá-LO. Ele, porém, prossegue com Seu ministério de graça, e a multidão, composta praticamente de estrangeiros de Tiro e Sidom (e até de edomitas), continua afluindo a Ele para ouvi-LO e obter a cura.

Depois Ele escolhe doze discípulos e os nomeia “para estarem com ele e para os enviar a pregar” (3:14 – compare com João 15:16). Estar com o Senhor Jesus: que imenso privilégio e, ao mesmo tempo, a condição indispensável para poder ser enviado em seguida. Como executar qualquer serviço sem que antes tenhamos recebido a direção do Senhor? (Jeremias 23:21-22).

Neste Evangelho, cada um dos doze discípulos é mencionado individualmente, com a finalidade de nos fazer recordar que um servo deve depender direta e pessoalmente de Seu Senhor para receber orientação e ajuda.

Não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas

Terça-feira 16 Outubro

Não atentando nós nas coisas que se vêem, mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas (2 Coríntios 4:18).

O PROBLEMA ENTRE A FÉ E A CIÊNCIA

Por meio da razão, a ciência se aproxima da realidade. Apesar de sujeita a erros, questionamentos, e querelas entre especialistas, a ciência não deixa de ser um meio fabuloso de investigar a natureza que nos rodeia.

Ela nos coloca em contato com o mundo material. Contudo, o olho da ciência é insuficiente: sua visão é puramente física. Necessitamos de outro olho, o da fé. Ela nos coloca em contato com o mundo espiritual, com o Criador. Assim como existe harmonia entre o Criador e a criação, deve haver harmonia entre a fé e a verdadeira ciência. Não há razão para serem opostas!

A divergência se deve a certos estudiosos que fizeram uso de sua notoriedade para dar uma opinião chamada científica sobre assuntos que não eram da competência deles.

O erro também provém de alguns cristãos que querem julgar tudo, mesmo nas esferas em que a sua fé é incompetente. Dessa maneira erros históricos foram cometidos e a fé ficou desacreditada.

Certamente, seria uma lástima e um inconveniente nos privar da ciência que nos mostra o aspecto majestoso da glória de Deus em Sua obra. Porém seria mortal fechar o olho da fé que nos abre o horizonte do além e da reconciliação do homem com Deus por meio de Jesus Cristo.

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me.”

16 de Outubro

“Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me.” Lucas 9.23

A Igreja de Jesus precisa passar pelos mesmos sofrimentos pelos quais o Senhor Jesus passou? As Escrituras nos dizem repetidamente que nós

– devemos seguir o mesmo caminho que o Cordeiro andou

– devemos seguir Seus passos

– estamos predestinados a participar de Seus sofrimentos

– tornamo-nos semelhantes com Jesus até na Sua morte, através da comunhão dos Seus sofrimentos

– tornamos-nos não somente semelhantes a Ele na Sua morte, mas com Cristo estamos predestinados à mesma morte.

Nós temos que passar pelas mesmas coisas que nosso Senhor Jesus passou porque como renascidos fazemos parte de Seu corpo. Ele é o Cabeça, nós os membros. Isso não significa que tenhamos que carregar os pecados do mundo – Jesus já fez isso de uma vez por todas. Também não carregaremos a Sua cruz, pois disso nunca seremos capazes. Não sou exortado a levar a cruz de Jesus, mas a minha cruz. Essa prontidão em carregar a minha própria cruz está inclusa no discipulado de Jesus, e faz com que na glória sejamos semelhantes a Ele. Este é o maior alvo do Senhor para nós!

Extraído do livro “Pérolas Diárias” (de Wim Malgo)