A VERDADE QUE LIBERTA

Leia: João 8:31-36

Como Testemunha de Jeová por quase quarenta anos, Ilya fez o possível para merecer a salvação. Mas certo dia ele ouviu no rádio um programa cristão sobre a salvação em Cristo que abriu seus olhos. Ele começou a estudar a Bíblia cristã e resolveu visitar a igreja local. Hoje, Ilya é membro de uma comunidade evangélica e professa Jesus Cristo como seu Senhor e Salvador. Ele ama falar do poder libertador do evangelho. Ele diz que estudar a Bíblia o ajudou a se libertar de todas as mentiras que o ensinaram durante tantos anos.Para Jesus, liberdade e escravidão não são apenas condições políticas, mas especialmente situações espirituais. Nossa criação religiosa, nossa raça, nossa herança cultural não podem nos livrar da escravidão que é o pecado. Somos fracos demais para nos libertar. Só o Filho de Deus pode nos libertar. E essa verdadeira liberdade é encontrada quando seus ensinamentos rompem nossas cadeias e permanecemos neles. “Permanecer” no evangelho significa muito mais do que apenas ouvir o evangelho e concordar intelectualmente. Permanecer nos ensinamentos de Cristo significa reagir à verdade bíblica crendo nela e mudando de comportamento. É assim que a verdade de Deus nos liberta. É assim que nossa jornada espiritual começa.
Pense:

Libertação espiritual não é um processo, mas a ruptura radical com as cadeias do pecado e da morte.
Ore:

Somos-te gratos, Senhor, pela mensagem libertadora do evangelho! Abre nossos corações e mentes para a verdade. Contamos com a ajuda do teu Espírito para permanecermos em teus ensinamentos. Amém.

Gid du sønderrev Himlen og steg ned, så Bjergene vakled for dit Åsyn! Og når jeg er gået bort og har beredt eder Sted, kommer jeg igen og tager eder til mig, for at, hvor jeg

Versículos de hoje

OH! se fendesses os céus, e descesses, e os montes se escoassem de diante da tua face, Isaías 64:1

Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar. João 14:2

Como ovelha, muda perante seus tosquiadores, ele não abriu a sua boca

Mateus 27:1-18

O dia amanhece. Um dia como nunca houve em toda a eternidade! Os primeiros raios do sol da manhã encontram os principais sacerdotes e anciãos maquinando como tornar viável a execução que já haviam decidido levar a cabo. Mas alguém vem visitá-los. Eles o conhecem bem: é o traidor, graças ao qual haviam conseguido seu objetivo. O que quer agora? Judas atesta a inocência do Mestre, devolve-lhes o dinheiro e expressa seu remorso. “Que nos importa? Isso é contigo” – “Esse problema é seu” – respondem os sacerdotes sem a menor compaixão. Então o miserável retira-se e vai enforcar-se. Perde a vida, a alma, e até o dinheiro pelo qual a tinha vendido! Os sacerdotes, que não haviam demonstrado nenhum escrúpulo em comprar sangue inocente, agora mostram cuidado quando se trata de pôr o dinheiro no tesouro do templo!

O Senhor Jesus é conduzido até Pilatos, o governador. Certamente seria fácil para Ele obter deste magistrado romano apoio contra o ódio do Seu povo. Mas o Senhor responde somente para atestar o Seu título de Rei dos judeus, ademais permanece em silêncio. “Como ovelha, muda perante seus tosquiadores, ele não abriu a sua boca” (Isaías 53:7; comparar com v. 12 e 14 e capítulo 26:63).

Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria trazendo consigo os seus molhos

Sábado 6 Outubro

Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos (Salmo 126:6).

MEDITAÇÕES SOBRE O LIVRO DE LEVÍTICO (Leia Levítico 23:15-22)

Cinqüenta dias separavam a festa das primícias da festa das semanas ou Pentecostes. Ambas tinham início no dia seguinte ao sábado, ou seja, no primeiro dia da semana. Sabemos que, após Sua ressurreição, antes de ascender ao céu, o Senhor apareceu em diversas ocasiões aos Seus discípulos para confortá-los, encorajá-los e enviá-los  para pregar o Evangelho. Então, o capítulo 2 do livro de Atos nos mostra o Espírito Santo descendo do céu no dia de Pentecostes para habitar na Igreja. Os dois pães movidos mencionados no versículo 17 são símbolos da Igreja, composta por cristãos, tanto judeus quanto gentios. Mas os que formam parte dela ainda estão na terra; essa é a razão pela qual o fermento, uma figura do pecado, está presente na composição dos pães.

Tais são as “primícias” da obra da cruz, apresentadas a Deus pelo sacerdote. Quando o Senhor Jesus falou de Si mesmo como o “grão de trigo” que teria de cair na terra e morrer, acrescentou: “… mas, se morrer, produz muito fruto” (João 12:24). O feixe das primícias era a promessa de uma farta colheita (v. 22). Cristo, o Homem ressurreto, não permanecerá sozinho na glória. Ele virá novamente com alegria, trazendo consigo Seus feixes (Salmo 126:6).

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

Porque não faço o bem que prefiro mas o mal que não quero esse faço

6 de Outubro

“Porque não faço o bem que prefiro, mas o mal que não quero, esse faço.” Romanos 7.19

Essa não é a sua imagem? Você gostaria de vencer sua ira, seus vícios obscuros, seus pecados, mas não obtém vitória? Por que não? Porque sua entrega não é completa. “Sim”, você diz, “bem que eu gostaria de viver totalmente para Jesus, mas não tenho forças.” Deus não espera força da sua parte, pelo contrário. Se você segue a Jesus, não se tornará forte de repente, mas continuará tão fraco como era antes. Mas mesmo assim é possível ter uma vida vitoriosa, pois a vitória do Senhor Jesus na cruz do Calvário é uma realidade. Lá na cruz, Ele exclamou: “Está consumado!” Mas será que então, no momento em que você se decidir por Jesus, de repente você se tornará forte para vencer? Não, isso também não. Você continuará tão fraco como antes, e até se tornará mais fraco ainda. Mas por meio da sua decisão consciente você libera uma força que não tem em si mesmo, mas que está à sua disposição. Após o seu sim total a Jesus fica à sua disposição todo o poder vitorioso de Jesus. Não olhe agora para os seus pecados, não olhe para a sua fraqueza. Deus sabe tudo! Ele sabe que tipo de criaturas somos. Também não olhe para as preocupações que pesam em seu coração, mas lance-se nos braços fortes de Jesus!

Extraído do livro “Pérolas Diárias” (de Wim Malgo)

TRAJE DE VIAGEM Leia:Romanos 13:11-14

 

 

 

11

 

Leia:Romanos 13:11-14

 

E isto digo, conhecendo o tempo, que já é hora de despertarmos do sono; porque a nossa salvação está agora mais perto de nós do que quando aceitamos a fé.

12

A noite é passada, e o dia é chegado. Rejeitemos, pois, as obras das trevas, e vistamo-nos das armas da luz.

13

Andemos honestamente, como de dia; não em glutonarias, nem em bebedeiras, nem em desonestidades, nem em dissoluções, nem em contendas e inveja.

14

Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo, e não tenhais cuidado da carne em suas concupiscências.

Livros de auto-ajuda são conhecidos por este simples conselho: vista-se para o sucesso. Especialistas dizem que se queremos a carreira dos nossos sonhos, se buscamos relacionamentos duradouros, uma coisa precisamos fazer: vestir-nos para o sucesso! Conheci um rapaz recém formado que estava passando por algumas entrevistas de emprego. Antes de cada entrevista, ele mandava lavar a seco seu terno. Ele queria estar com a aparência perfeita para conseguir o emprego dos seus sonhos. Eu não sei se o terno impecável ajudou, mas ele conseguiu o emprego. O apóstolo Paulo fala que devemos nos vestir de Cristo. Seria isto algo tão superficial quanto a ladainha do vestir-se para o sucesso? Claro que não! Paulo fala sobre refletir Jesus em nossas vidas. Tanto em nossas palavras como em nossas ações. Isto significa deixar o pecado e ao mesmo tempo agir com o amor, a bondade e a compaixão de Cristo no mundo. Precisamos mostrar externamente o que aconteceu internamente. A graça de Cristo é comparada ao traje versátil do Oriente Médio que nos mantém refrescados sob o sol quente e aquecidos durante as noites frias do deserto. É o que precisamos em nossa jornada de fé.

Pense:
Com a vestimenta de Cristo, podemos nos apresentar diante de Deus hoje e em nossa entrevista final.

 

Ore:
Pai, limpa do pecado os nossos corações, para que possamos nos vestir com a graça, o amor e a bondade de teu Filho. Ajuda-nos a sermos teus fiéis seguidores e testemunhas! Em nome de Cristo. Amém.

Ora, os príncipes dos sacerdotes, e os anciãos, e todo o conselho, buscavam falso testemunho contra Jesus, para poderem dar-lhe a morte;E não o achavam; apesar de se apresentarem muitas testemunhas falsas, não o achavam. Mas, por fim chegaram duas testemunhas falsas,

Mateus 26:59-75

59

Ora, os príncipes dos sacerdotes, e os anciãos, e todo o conselho, buscavam falso testemunho contra Jesus, para poderem dar-lhe a morte;

60

E não o achavam; apesar de se apresentarem muitas testemunhas falsas, não o achavam. Mas, por fim chegaram duas testemunhas falsas,

61

E disseram: Este disse: Eu posso derrubar o templo de Deus, e reedificá-lo em três dias.

62

E, levantando-se o sumo sacerdote, disse-lhe: Não respondes coisa alguma ao que estes depõem contra ti?

63

Jesus, porém, guardava silêncio. E, insistindo o sumo sacerdote, disse-lhe: Conjuro-te pelo Deus vivo que nos digas se tu és o Cristo, o Filho de Deus.

64

Disse-lhe Jesus: Tu o disseste; digo-vos, porém, que vereis em breve o Filho do homem assentado à direita do Poder, e vindo sobre as nuvens do céu.

65

Então o sumo sacerdote rasgou as suas vestes, dizendo: Blasfemou; para que precisamos ainda de testemunhas? Eis que bem ouvistes agora a sua blasfêmia.

66

Que vos parece? E eles, respondendo, disseram: É réu de morte.

67

Então cuspiram-lhe no rosto e lhe davam punhadas, e outros o esbofeteavam,

68

Dizendo: Profetiza-nos, Cristo, quem é o que te bateu?

69

Ora, Pedro estava assentado fora, no pátio; e, aproximando-se dele uma criada, disse: Tu também estavas com Jesus, o galileu.

70

Mas ele negou diante de todos, dizendo: Não sei o que dizes.

71

E, saindo para o vestíbulo, outra criada o viu, e disse aos que ali estavam: Este também estava com Jesus, o Nazareno.

72

E ele negou outra vez com juramento: Não conheço tal homem.

73

E, daí a pouco, aproximando-se os que ali estavam, disseram a Pedro: Verdadeiramente também tu és deles, pois a tua fala te denuncia.

74

Então começou ele a praguejar e a jurar, dizendo: Não conheço esse homem. E imediatamente o galo cantou.

75

E lembrou-se Pedro das palavras de Jesus, que lhe dissera: Antes que o galo cante, três vezes me negarás. E, saindo dali, chorou amargamente.

 

Os líderes do povo têm Jesus em seu poder, porém lhes falta um motivo plausível para condená-LO com segurança, uma vez que o Homem perfeito não lhes dá nenhuma base para acusações. Vêem-se então forçados a procurar alguma “falsa testemunha” (Salmo 27:12; 35:11-12). E até mesmo essa testemunha é difícil de encontrar, já que ela deve ter uma aparência de retidão. Por fim apresentam-se duas falsas testemunhas com uma palavra distorcida (comparar v. 61 com João 2:19). Mas o que serve de pretexto para a condenação é a Sua solene declaração de ser o Filho de Deus, pronto a vir com poder e grande glória! A sentença de morte é pronunciada. E imediatamente a brutalidade e a covardia do homem vêm à tona (vv. 67-68). Começa a cumprir-se o que o Senhor tinha várias vezes predito aos Seus (Mateus 16:21; 17:22; 20:18-19 e 26:2).

Para Pedro também é uma hora sombria, mas por uma razão bastante diferente. Satanás, que não pôde fazer o Mestre vacilar, tentará fazer o discípulo cair. Por três vezes, o pobre Pedro nega Aquele pelo qual havia jurado morrer. Chega até mesmo a usar uma linguagem grosseira para enganar os outros, já que, anteriormente, sua maneira de falar o tinha denunciado como um discípulo de Jesus.

Extraído do “Guia Devocional do Novo Testamento” – literatura@terra.com.br