Natal de verdade

Os pastores e os anjos
8Naquela região havia pastores que estavam passando a noite nos campos, tomando conta dos rebanhos de ovelhas. 9Então um anjo do Senhor apareceu, e a luz gloriosa do Senhor brilhou por cima dos pastores. Eles ficaram com muito medo, 10mas o anjo disse:
– Não tenham medo! Estou aqui a fim de trazer uma boa notícia para vocês, e ela será motivo de grande alegria também para todo o povo! 11Hoje mesmo, na cidade de Davi, nasceu o Salvador de vocês – o Messias, o Senhor! 12Esta será a prova: vocês encontrarão uma criancinha enrolada em panos e deitada numa manjedoura.
13No mesmo instante apareceu junto com o anjo uma multidão de outros anjos, como se fosse um exército celestial. Eles cantavam hinos de louvor a Deus, dizendo:

14– Glória a Deus nas maiores alturas do céu!
E paz na terra para as pessoas a quem ele quer bem!

15Quando os anjos voltaram para o céu, os pastores disseram uns aos outros:
– Vamos até Belém para ver o que aconteceu; vamos ver aquilo que o Senhor nos contou.
16Eles foram depressa, e encontraram Maria e José, e viram o menino deitado na manjedoura. 17Então contaram o que os anjos tinham dito a respeito dele. 18Todos os que ouviram o que os pastores disseram ficaram muito admirados. 19Maria guardava todas essas coisas no seu coração e pensava muito nelas. 20Então os pastores voltaram para os campos, cantando hinos de louvor a Deus pelo que tinham ouvido e visto.
E tudo tinha acontecido como o anjo havia falado.
O nome do menino
21Uma semana depois, quando chegou o dia de circuncidar o menino, puseram nele o nome de Jesus. Pois o anjo tinha dado esse nome ao menino antes de ele nascer.
Jesus é apresentado no Templo
22Chegou o dia de Maria e José cumprirem a cerimônia da purificação, conforme manda a Lei de Moisés. Então eles levaram a criança para Jerusalém a fim de apresentá-la ao Senhor. 23Pois está escrito na Lei do Senhor: “Todo primeiro filho será separado e dedicado ao Senhor.” 24Eles foram lá também para oferecer em sacrifício duas rolinhas ou dois pombinhos, como a Lei do Senhor manda.
25Em Jerusalém morava um homem chamado Simeão. Ele era bom e piedoso e esperava a salvação do povo de Israel. O Espírito Santo estava com ele, 26e o próprio Espírito lhe tinha prometido que, antes de morrer, ele iria ver o Messias enviado pelo Senhor. 27Guiado pelo Espírito, Simeão foi ao Templo. Quando os pais levaram o menino Jesus ao Templo para fazer o que a Lei manda, 28Simeão pegou o menino no colo e louvou a Deus. Ele disse:

29– Agora, Senhor, cumpriste a promessa
que fizeste
e já podes deixar este teu servo
partir em paz.
30Pois eu já vi com os meus próprios olhos
a tua salvação,
31que preparaste na presença
de todos os povos:
32uma luz para mostrar o teu caminho
a todos os que não são judeus
e para dar glória ao teu povo de Israel.

33O pai e a mãe do menino ficaram admirados com o que Simeão disse a respeito dele. 34Simeão os abençoou e disse a Maria, a mãe de Jesus:
– Este menino foi escolhido por Deus tanto para a destruição como para a salvação de muita gente em Israel. Ele vai ser um sinal de Deus; muitas pessoas falarão contra ele, 35e assim os pensamentos secretos delas serão conhecidos. E a tristeza, como uma espada afiada, cortará o seu coração, Maria.
36Havia ali também uma profetisa chamada Ana, que era viúva e muito idosa. Ela era filha de Fanuel, da tribo de Aser. Sete anos depois que ela havia casado, o seu marido morreu. 37Agora ela estava com oitenta e quatro anos de idade. Nunca saía do pátio do Templo e adorava a Deus dia e noite, jejuando e fazendo orações. 38Naquele momento ela chegou e começou a louvar a Deus e a falar a respeito do menino para todos os que esperavam a libertação de Jerusalém.
A volta para Nazaré
39Quando terminaram de fazer tudo o que a Lei do Senhor manda, José e Maria voltaram para a Galiléia, para a casa deles na cidade de Nazaré.
40O menino crescia e ficava forte; tinha muita sabedoria e era abençoado por Deus.
Jesus no Templo
41Todos os anos os pais de Jesus iam a Jerusalém para a Festa da Páscoa. 42Quando Jesus tinha doze anos, eles foram à Festa, conforme o seu costume. 43Depois que a Festa acabou, eles começaram a viagem de volta para casa. Mas Jesus tinha ficado em Jerusalém, e os seus pais não sabiam disso. 44Eles pensavam que ele estivesse no grupo de pessoas que vinha voltando e por isso viajaram o dia todo. Então começaram a procurá-lo entre os parentes e amigos. 45Como não o encontraram, voltaram a Jerusalém para procurá-lo. 46Três dias depois encontraram o menino num dos pátios do Templo, sentado no meio dos mestres da Lei, ouvindo-os e fazendo perguntas a eles. 47Todos os que o ouviam estavam muito admirados com a sua inteligência e com as respostas que dava. 48Quando os pais viram o menino, também ficaram admirados. E a sua mãe lhe disse:
– Meu filho, por que foi que você fez isso conosco? O seu pai e eu estávamos muito aflitos procurando você.
49Jesus respondeu:
– Por que vocês estavam me procurando? Não sabiam que eu devia estar na casa do meu Pai?
50Mas eles não entenderam o que ele disse.
51Então Jesus voltou com os seus pais para Nazaré e continuava a ser obediente a eles. E a sua mãe guardava tudo isso no coração.
52Conforme crescia, Jesus ia crescendo também em sabedoria, e tanto Deus como as pessoas gostavam cada vez mais dele.

NUTRIÇÃO ESPIRITUAL Leia :João 6:57-58

57 Assim como o Pai, que vive, me enviou , e eu vivo pelo Pai, assim, quem de mim se alimenta, também viverá por mim. 58 Este é o pão que desceu do céu; não é o caso de vossos pais, que comeram o maná e morreram; quem comer este pão viverá para sempre.

Nada como um bom petisco para a viagem. Quem não gosta de levar algo para beliscar no carro ou no ônibus? Alguns gostam de levar uns biscoitos, chocolates ou salgadinhos, outros preparam uma verdadeira matula. Estes simples petiscos nos dão a nutrição de que precisamos durante as nossas viagens. Em nossa jornada de fé, também precisamos de energia que nos dê força e resistência. Mas devemos ter muito cuidado. Nossa viagem durará a vida toda e precisamos de algo mais potente do que apenas um “lanchinho”. Nossa jornada pode ser arruinada se tomarmos as decisões erradas. Jesus diz que Ele próprio deve se tornar nossa nutrição espiritual! O que isto significa? O Pai enviou Jesus para que encontrasse e salvasse os perdidos. Portanto, todos os que se voltarem para Jesus, pela fé, e dependerem dele para se nutrirem espiritualmente poderão se conectar à força vital do Deus Pai.Assim como paramos durante o dia para nos alimentarmos fisicamente, devemos encontrar algum tempo para a oração e a leitura da Bíblia, onde encontramos alimento espiritual. Jesus, o Pão Vivo, não nos deixa exaustos em nossa jornada espiritual nem sem energia para nossas lutas diárias.

Pense:
Um tesouro só tem valor quando revelado e exposto para que outros o vejam e dele se aproveitem.

Ore:
Nosso Pai, louvamos-te porque nos enviaste o teu Filho. Ele é a fonte confiável da nossa nutrição espiritual e da vida eterna. Pedimos alimento diário em nossa jornada espiritual. Amém.

 
 

וַתְּחַסְּרֵ֣הוּ מְּ֭עַט מֵאֱלֹהִ֑ים וְכָבֹ֖וד וְהָדָ֣ר תְּעַטְּרֵֽהוּ׃

Versículos de hoje

Fazes com que ele tenha domínio sobre as obras das tuas mãos; tudo puseste debaixo de seus pés: Salmos 8:6

E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens, Colossenses 3:23

E digo-vos que, desde agora, não beberei deste fruto da vide, até aquele dia em que o beba novo convosco no reino de meu Pai. E, tendo cantado o hino, saíram para o Monte das Oliveiras.

Mateus 26:17-30

17 E, no primeiro dia da festa dos pães ázimos, chegaram os discípulos junto de Jesus, dizendo: Onde queres que façamos os preparativos para comeres a páscoa? 18 E ele disse: Ide à cidade, a um certo homem, e dizei-lhe: O Mestre diz: O meu tempo está próximo; em tua casa celebrarei a páscoa com os meus discípulos. 19 E os discípulos fizeram como Jesus lhes ordenara, e prepararam a páscoa. 20 E, chegada a tarde, assentou-se à mesa com os doze. 21 E, comendo eles, disse: Em verdade vos digo que um de vós me há de trair. 22 E eles, entristecendo-se muito, começaram cada um a dizer-lhe: Porventura sou eu, SENHOR? 23 E ele, respondendo, disse: O que põe comigo a mão no prato, esse me há de trair. 24 Em verdade o Filho do homem vai, como acerca dele está escrito, mas ai daquele homem por quem o Filho do homem é traído! Bom seria para esse homem se não houvera nascido. 25 E, respondendo Judas, o que o traía, disse: Porventura sou eu, Rabi? Ele disse: Tu o disseste. 26 E, quando comiam, Jesus tomou o pão, e abençoando-o, o partiu, e o deu aos discípulos, e disse: Tomai, comei, isto é o meu corpo. 27 E, tomando o cálice, e dando graças, deu-lho, dizendo: Bebei dele todos; 28 Porque isto é o meu sangue, o sangue do novo testamento, que é derramado por muitos, para remissão dos pecados. 29 E digo-vos que, desde agora, não beberei deste fruto da vide, até aquele dia em que o beba novo convosco no reino de meu Pai. 30 E, tendo cantado o hino, saíram para o Monte das Oliveiras.

Podemos ter uma idéia do que o Senhor estava sentindo ao comer esta páscoa com Seus discípulos. Nesta celebração justamente se representava o que Ele estava por realizar. Não iria demorar, e o verdadeiro Cordeiro pascal seria imolado (1 Coríntios 5:7). Porém Ele ainda queria dar a Seus discípulos um emblema muito especial de Seu amor. A cada ano, desde a grande noite do êxodo, a páscoa anunciava em figura uma obra que havia de vir. Doravante, a cada primeiro dia da semana, a cena faria o crente recordar que esta obra está consumada. Todas as vezes que a celebramos, anunciamos a morte do Senhor até que Ele venha (1 Coríntios 11:26).

Assim que distribuiu o pão para os Seus, o Senhor Jesus também lhes deu o cálice, dizendo: “Bebei dele todos”. Sim, Ele quer que todos participem com Ele desta ceia de amor (exceto Judas que havia saído: João 13:30). São eles dignos da ceia? Pedro O negará e todos os demais fugirão. Ainda assim o Senhor lhes disse – e continua dizendo a todos os redimidos: “Bebei dele todos“. A seguir explica o valor inestimável de Seu sangue que será “derramado em favor de muitos, para a remissão dos pecados” (v. 28). Caro leitor, você está entre esses “muitos”? Caso esteja, qual tem sido sua resposta ao desejo do Senhor Jesus? (Salmo 116:12-14).

Sede sóbrios, vigiai, porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar E o Deus de paz esmagará em breve Satanás debaixo dos vossos pés

Terça-feira 2 Outubro

Sede sóbrios, vigiai, porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar.

Ele [ o Diabo] foi homicida desde o princípio e… é mentiroso e pai da mentira.

E o Deus de paz esmagará em breve Satanás debaixo dos vossos pés (1 Pedro 5:8; João 8:44; Romanos 16:20).

NOSSO ADVERSÁRIO

É o tentador que seduziu nossos primeiros pais incitando-lhes a desobedecer a Deus. Mais tarde também tentou a Jesus, porém não encontrou falta alguma nAquele que lhe respondeu sempre com a Palavra de Deus.

O diabo cria divisão onde há unidade, e introduz a nota dissonante onde está a harmonia.

É mentiroso e “pai da mentira”. Também é homicida “desde o princípio”. Foi o instigador do maior crime da eternidade: a morte de Jesus Cristo na cruz. Mas ao agir assim sofreu uma derrota definitiva. Não pôde afastar Jesus da completa obediência a Deus.

É o príncipe deste mundo, o inspirador de todo o mal que os homens fazem na terra, porém do qual eles ficam responsáveis diante de Deus. Exerce domínio sobre todos os que não se submetem à autoridade de Deus.

É o acusador dos irmãos, a quem odeia, e os quer privar do relacionamento que têm com Deus.

Porém a Palavra de Deus anuncia que Satanás, vencido na cruz, logo desaparecerá de cena e sofrerá um juízo eterno. A Jesus Cristo, o Senhor, pertence a autoridade no céu e na terra; e Ele já está a ponto de estabelecê-la de maneira perfeita.

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade

2 de Outubro

“Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade.” 1 João 3.18

Andar no amor não significa nada mais e nada menos do que seguir o Cordeiro para onde quer que vá! Porém, o nosso “eu” não quer isso. Até Pedro, o discípulo mais zeloso e emotivo não queria isso. Ou seja, quando Jesus estava a caminho para o Calvário “Pedro o seguia de longe.” Enquanto respondemos negativamente ao caminho do Cordeiro, enquanto “seguimos de longe”, desviando-nos dos sofrimentos de Cristo, continuamos com nossos porquês tão mesquinhos, e não percebemos que é justamente através dos sofrimentos de Jesus Cristo, no Seu grande amor, que o Deus eterno se comunica conosco.

Mas como o nosso amor a Deus pode se tornar mais íntimo e profundo, de modo que sejamos capazes de seguir o Cordeiro para onde Ele for? Deixando que a grande verdade de Romanos 8.32 trabalhe em nossa vida: “Aquele que não poupou a seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura não nos dará graciosamente com ele todas as cousas?” Esse é o ilimitado amor de Deus, que Ele só pode comunicar por meio do amargo sofrimento e morte do Seu Filho. Este amor gera amor recíproco. E porque Deus de fato nos dá tudo, também experimentamos a realidade de Romanos 5.5: “…o amor de Deus é derramado em nossos corações pelo Espírito Santo.”

Extraído do livro “Pérolas Diárias” (de Wim Malgo)

Formatura