Versículos de hoje

Eis que dias vêm, diz o SENHOR, em que farei uma aliança nova com a casa de Israel e com a casa de Judá. Jeremias 31:31

Ora, o Deus de paz, que pelo sangue da aliança eterna tornou a trazer dos mortos a nosso Senhor Jesus Cristo, grande pastor das ovelhas, Vos aperfeiçoe em toda a boa obra, para fazerdes a sua vontade, operando em vós o que perante ele é agradável por Cristo Jesus, ao qual seja glória para todo o sempre. Amém. Hebreus 13:20,21

Quanta fome temos?

Quanta fome temos?
Leia:
1 João 2:1-17

“Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, pois serão satisfeitos.” Mateus 5:6

O que significa ter “fome e sede de justiça”? Primeiro devemos entender o que é justiça. John Stott, teólogo inglês, diz que a justiça na Bíblia tem três aspectos: legal, social e moral.O cidadão do Reino de Deus tem fome de justiça legal, ou seja, agir corretamente perante Deus através da fé em Jesus Cristo. O cidadão do Reino de Deus tem fome de justiça social, onde as pessoas justas lutam pelo que é certo para todos, especialmente demonstrando cuidado e compaixão pelos que sofrem e tem maiores necessidades.O seguidor de Jesus tem, além disso, sede de justiça moral, aprendendo a viver pelos caminhos de Deus e a “renunciar à impiedade e às paixões mundanas” (Tito 2:12).Os primeiros seguidores de Cristo eram parecidos conosco em muitas coisas, com muitas das mesmas lutas pessoais e sofrimentos. Jesus veio para salvar a todos nós, e disse que se tivermos fome e sede de justiça, seremos satisfeitos. Todos nós sabemos que, quando nossa fome e nossa sede não são saciadas, morremos. Portanto, devemos nos perguntar o quanto precisamos de justiça. Se a desejamos tanto quanto uma pessoa faminta deseja se alimentar, nós a alcançaremos.
Pense:
Quanto mais fome de justiça tivermos, mais justiça iremos conquistar

Ore:
Perdoa-nos, Pai, por não termos as prioridades corretas e por buscarmos preenchimento naquilo que geralmente nos deixa vazios. Gratos somos por que tu nos dás fome e sede de justiça. Em Cristo. Amém.

“Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e, sim, contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes.” Efésios 6.10-12

6 de Setembro

“Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e, sim, contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes.” Efésios 6.10-12

Somos exortados a combater “o bom combate da fé.” Mas não sejamos presunçosos pensando que é nossa a fé pela qual lutamos, mas lutamos na fé do nosso Senhor Jesus. Isso também Paulo nos diz claramente: “…e esse viver que agora tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus.” Jesus Cristo é o dom inefável de Deus para nós, e nEle e por meio dEle Deus nos deu a fé, a Sua fé. As Escrituras dizem que Ele é o Autor e Consumador da fé. Por esse motivo, ninguém pode se gloriar que tenha fé forte e firme, mas aquele que se gloria, glorie-se por conhecer o Senhor. Por isso, dê graças a Deus por Ele, em Sua inescrutável graça, ter lhe dado Jesus, e com Ele todas as coisas. Aquele que aceitou a Jesus pode jubilar como Paulo: “…porventura não nos dará graciosamente com ele todas as cousas?”

Extraído do livro “Pérolas Diárias” (de Wim Malgo)
 

Quinta-feira 6 Setembro

Quinta-feira 6 Setembro

Cremos naquele que dos mortos ressuscitou a Jesus, nosso Senhor, o qual por nossos pecados foi entregue e ressuscitou para nossa justificação. Sendo, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus por nosso Senhor Jesus Cristo  (Romanos 4:24-25; 5:1).

PODEMOS VOLTAR A COMEÇAR?

O homem recebeu de seu Criador uma inteligência que lhe permite fazer maravilhas que suscitam nossa admiração. Porém não pode consertar a teia de aranha que destrói com um ligeiro movimento, nem devolver à mariposa a delicada asa que seus dedos arruinaram.

Ou mais importante ainda, não pode fazer desaparecer as feridas que sua dureza e falta de amor causaram aos demais, nem voltar a viver de outra maneira tudo que já saiu errado. Mas, sobretudo, é impossível para ele apagar um só de seus pecados e salvar sua alma da perdição eterna.

O que nunca ninguém conseguiu fazer e que, contudo, é essencial, Deus fez para quem recebe Sua Palavra com um coração humilde e arrependido. Disse Deus: “Eu, eu mesmo, sou o que apaga as tuas transgressões por amor de mim e dos teus pecados me não lembro” (Isaías 43:25). Ele nos permite voltar a começar, perdoando nossos atos passados, os quais esquece, e até nos faz o favor de anular certas conseqüências. “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo” (2 Coríntios 5:17).

Não é tarde para começar uma nova vida com Jesus, o Salvador. Você jamais se arrependerá!

Extraído do devocional “Boa Semente” – literatura@terra.com.br

Mateus 14:22-36

  

 Mateus 14:22-36

A cena do barco no meio da tempestade é a imagem da posição atual dos redimidos do Senhor. Enquanto Ele está no céu orando e intercedendo, eles têm de atravessar penosamente o agitado mar deste mundo. Moralmente, é noite: o Inimigo, incitando a oposição dos homens, atua como o vento e as ondas que anulavam os esforços dos remadores. Porém Jesus vem ao encontro dos Seus. Sua voz familiar tranqüiliza os pobres discípulos. E a fé, apoiando-se sobre a palavra “Vem!”, conduz Pedro Àquele que ele ama. Repentinamente, porém, sua fé falha e ele começa a afundar. O que aconteceu? Pedro tirou seus olhos do Mestre e os fixou na altura das ondas e na violência do vento – como se fosse mais difícil caminhar com Deus em um mar agitado do que em águas tranqüilas! Então Pedro clamou ao Senhor, que o socorreu imediatamente.

Depois, o Senhor Jesus é recebido na comarca de Genesaré, de onde havia sido expulso quando curou os dois endemoniados (cap. 8:34). Essa é uma figura do momento em que Seu povo, que O desprezou, O reconhecerá e render-Lhe-á homenagem, e será liberto por Ele.

Extraído do “Guia Devocional do Novo Testamento” – literatura@terra.com.br