======O mistério da mentira======

 

 

mentira.jpg 

As “palavras certas” no convívio com os outros são cada vez mais pura mentira. Pois apresentar a verdade em doses reduzidas facilita a vida. Os americanos chamam essa “forma elaborada” de comunicação de “mentiras brancas”. Aqueles que sempre dizem a verdade são considerados irremediavelmente ingênuos. Além disso, eles facilmente ganham inimigos. Calcula-se que uma mentira vem aos nossos lábios cerca de 200 vezes por dia, em média uma a cada 5 minutos. Começando por falsos elogios (“Você está com excelente aparência!”) até mentiras descaradas (“Hoje eu não posso ir ao escritório, estou gripado”).

Há alguns anos ocupam-se com o mistério da mentira não apenas filósofos, mas também cientistas políticos e psicólogos. O resultado das pesquisas sobre a mentira:

– Mentira e engano estão nos nossos genes, foram e são o motor da evolução. Os biólogos presumem que o desenvolvimento do cérebro humano só foi possível por ter que lidar com enganos.

– Nós adulamos, engodamos e sorrimos diariamente com olhar inocente para manter uma boa atmosfera ou para nos apresentar numa luz mais favorável. Principalmente os cônjuges e familiares são enganados de maneira intensa. Eles são vítimas de dois terços de todas as mentiras graves – segundo as análises de diários da psicóloga americana Bella DePaulo da Universidade da Virgínia em Charlottesville.

– Talento para enganar é sinal de inteligência – um fator de sucesso, tão útil como perspicácia, intuição ou criatividade. “O sucesso profissional de um executivo depende em 80% da sua inteligência social”, afirma Howard Gardner, psicólogo da Harvard School of Education. Também Peter Stiegnitz, um pesquisador da mentira em Viena (Áustria), pensa que os “carreiristas preferem trabalhar com jeito e charme ao invés de fazê-lo com aplicação e perseverança”.

O objetivo da educação diplomática: as crianças já aprendem desde cedo que é melhor não dizer à sua antipática tia que acham o beijo lambuzado dela nojento. A alegria dissimulada da mãe ao receber o presente de Natal inútil, os doces escondidos furtivamente e a lei do silêncio sobre inconvenientes familiares são modelos e treinamento para as mentiras diárias no futuro.

Entretanto, as crianças só compreendem a necessidade de mentir entre o segundo e quarto ano de vida, e isso ocorre tanto mais cedo quanto mais inteligentes elas forem. Até então elas não sabem distinguir entre fantasia e realidade. Quando descobrem, então, quão refinadamente é possível lograr os outros, elas o fazem primeiramente em proveito próprio – a fim de evitar castigos ou para receber alguma recompensa. Mais ou menos a partir dos oito anos de idade elas aprendem a diferenciar a simpatia verdadeira da falsa.

No máximo durante a adolescência os jovens aprendem a distinguir com certa precisão se alguém está sendo sincero ou não… (Focus)

É vergonhoso como hoje em dia se lida levianamente com o conceito “mentira” ou com a própria mentira. Há pesquisas e estudos sobre a mentira, tenta-se explicá-la, procura-se a sua origem, mas em geral ela é considerada inofensiva, sim, até mesmo uma necessidade da vida e, em última análise, como algo bom.

Entretanto, como em todas as questões relativas à vida, também sobre a mentira somente a Bíblia – e não quaisquer “pesquisadores da mentira” – pode nos dar a melhor orientação. Ela nos mostra que a mentira não é um mistério, conforme diz o artigo citado, mas um pecado há muito revelado. A mentira consiste em rejeitar a verdade de Deus. Sobre os mentirosos está escrito: “Pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira…” (Rm 1.25). Por isso a mentira se estende por toda a história da humanidade. Ela é a culpada pela queda do homem e causa de todos os sofrimentos e de muitas lágrimas.

A mentira não tem sua origem na evolução, mas em Satanás – ele é chamado “pai da mentira”. O Senhor Jesus Cristo mostrou isso de maneira inequívoca quando disse: “Vós sois do Diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira. Mas, porque eu digo a verdade, não me credes” (Jo 8.44-45). Assim, o pecado só entrou no mundo por meio da mentira, pois Satanás enganou os primeiros seres humanos através da mentira: “É certo que não morrereis… mas sereis como Deus” (Gn 3.4-5). A realidade da mentira e do pecado em si falam contra a evolução e a favor do relato da Bíblia, de que somos uma criação caída.

Com toda a certeza a mentira não é indicação de inteligência, mas um sinal característico de uma vida sem Deus, que não ama a verdade e é a identificação de uma natureza pecaminosa. Em 1 João 2.21 está escrito: “…mentira alguma jamais procede da verdade.” Por isso, a crescente tendência para a mentira em nossos dias também é um sinal evidente dos tempos finais: “Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm cauterizada a própria consciência” (1 Tm 4.1-2).

Como a mentira é o oposto exato da verdade de Deus e assim rejeita o próprio Deus da maneira mais grosseira, ela também será julgada com dureza pelo Deus santo. No último livro da Bíblia está escrito duas vezes com inequívoco rigor:

– “Nela, nunca jamais penetrará coisa alguma contaminada, nem o que pratica abominação e mentira, mas somente os inscritos no Livro da Vida do Cordeiro” (Ap 21.27).

– “Fora ficam os cães, os feiticeiros, os impuros, os assassinos, os idólatras e todo aquele que ama e pratica a mentira” (Ap 22.15).

Parece que o pouco de verdade que há no artigo citado é que uma inverdade passa pelos nossos lábios aproximadamente 200 vezes por dia. Em face desta realidade da mentira, como deveríamos tremer diante da verdade que o próprio Senhor Jesus descreve assim: “Digo-vos que de toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no Dia do Juízo” (Mt 12.36).

Somente estas poucas afirmações da Bíblia nos colocam diante da verdade de que nenhuma pessoa pode ser salva por meio dos próprios esforços. Bastaria pensar isso, para mentir a si mesmo. Mas, Jesus Cristo veio para isto: Ele, a Verdade de Deus em pessoa, a fim de tomar sobre si a nossa culpa, para que nós, exclusivamente pela graça, pudéssemos ser libertos da mentira. Por isso o Senhor Jesus diz em outra passagem: “Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8.31-32). Verdade é reconhecer a mentira como aquilo que ela é: um pecado que nos separa de Deus. Mas verdade também é saber que podemos confessar a Jesus a mentira e todos os nossos outros pecados e pedir perdão. Verdade também é que, então, podemos aceitar o perdão pela fé e com gratidão. Aquele que fizer isso com sinceridade e de todo o coração, receberá o perdão (1 Jo 1.7 e 9), pois Deus não pode mentir. (Norbert Lieth)

Publicado anteriormente na revista Chamada da Meia-Noite, setembro de 1999.

Morre Pastor da Assembléia de Deus de Ivoti-RS em acidente da TAM

Pastor Luiz Antonio – Revelação Sobre o Acidente da TAM

As imagens foram postadas em 20 de julho. Em menos de 48 horas, mais de 17 mil pessoas tinham acessado o vídeo no site. A gravação teria sido feita em abril deste ano em um evento pentecostal em Camboriú, Santa Catarina.

Na pregação, Luiz Antônio conta a uma platéia de evangélicos sobre uma madrugada em que estava em casa, mas não conseguiu dormir. Segundo o pastor, ele teve uma revelação. “Eu vi dezenas de centenas de pessoas mortas, enroladas em alguma coisa que não consegui discernir, sendo levadas para um lugar estranho e escuro”, afirmou.

O pastor embarcou no Airbus A320 da TAM porque viajaria para Minas Gerais, onde participaria de um congresso. Luiz Antônio era um conhecido líder evangélico do Sul do país e pertencia à Assembléia de Deus em Ivoti, cidade a 55 km de Porto Alegre. Ele era casado com Maria Isabel Bomber da Silva Luz e tinha três filhos.As imagens foram postadas em 20 de julho. Em menos de 48 horas, mais de 17 mil pessoas tinham acessado o vídeo no site. A gravação teria sido feita em abril deste ano em um evento pentecostal em Camboriú, Santa Catarina.

Na pregação, Luiz Antônio conta a uma platéia de evangélicos sobre uma madrugada em que estava em casa, mas não conseguiu dormir. Segundo o pastor, ele teve uma revelação. “Eu vi dezenas de centenas de pessoas mortas, enroladas em alguma coisa que não consegui discernir, sendo levadas para um lugar estranho e escuro”, afirmou.

O pastor embarcou no Airbus A320 da TAM porque viajaria para Minas Gerais, onde participaria de um congresso. Luiz Antônio era um conhecido líder evangélico do Sul do país e pertencia à Assembléia de Deus em Ivoti, cidade a 55 km de Porto Alegre. Ele era casado com Maria Isabel Bomber da Silva Luz e tinha três filhos.As imagens foram postadas em 20 de julho. Em menos de 48 horas, mais de 17 mil pessoas tinham acessado o vídeo no site. A gravação teria sido feita em abril deste ano em um evento pentecostal em Camboriú, Santa Catarina.

Na pregação, Luiz Antônio conta a uma platéia de evangélicos sobre uma madrugada em que estava em casa, mas não conseguiu dormir. Segundo o pastor, ele teve uma revelação. “Eu vi dezenas de centenas de pessoas mortas, enroladas em alguma coisa que não consegui discernir, sendo levadas para um lugar estranho e escuro”, afirmou.

O pastor embarcou no Airbus A320 da TAM porque viajaria para Minas Gerais, onde participaria de um congresso. Luiz Antônio era um conhecido líder evangélico do Sul do país e pertencia à Assembléia de Deus em Ivoti, cidade a 55 km de Porto Alegre. Ele era casado com Maria Isabel Bomber da Silva Luz e tinha três filhos.

O site da Assembléia de Deus de Porto Velho publicou uma nota em seu site sobre a morte do Pr. Luiz Antônio no acidente da TAM, na última terça-feira.

É com enorme pesar que viemos noticiar o falecimento do Pr Luiz Antônio Rodrigues da Luz na noite de terça-feira 17 de Julho de 2007 às 18:50h na cidade de Congonhas – SP. Vítima do acidente do Airbus A320 da TAM no vôo JJ 3054 que perdeu o controle durante manobras na pista do aeroporto, e bateu contra um depósito da empresa que fica do lado oposto, na avenida Washington Luiz, causando um incêndio de grandes proporções e vítimando sua vida. Pr. Luiz Antônio estaria pregando em Conselheiro Pena em Minas Gerais, na volta ficaria dois dias em São Paulo com o Pr. Alberto Rezende e com o Pr. Elizeu na Escola de Missões. No Sabádo e Domingo faria o encerramento da comemoração dos Setenta anos da Assembléia de Deus em Riberão Preto. Seu corpo vai ser velado na Igreja Evangélica Assembléia de Deus em Ivoti – RS. Pedimos orações dos irmãos para que Deus conforte os corações de seus familiares, amigos, companheiros, e admiradores.

“Preciosa é à vista do Senhor a morte dos seus santos. Sl 166.15”

Era casado com Maria Isabel Bomber da Luz; pai de Eliezer, Priscila e Juliano. Oriundo de uma família simples, nasceu em Pantano Grande no dia 28 de Abril de 1964. Ainda pequeno mudou-se para Guaíba onde passou a maior parte de sua vida.
Aos 11 anos foi acometido de uma séria enfermidade que o deixou vários dias em um leito hospitalar. Após uma palavra profética sobre sua chamada ministerial, fez um voto ao Senhor dizendo que se Deus o curasse se batizaria na primeira oportunidade. Aos 17 anos assumiu a secretaria da igreja da Assembléia de Deus de Guaíba permanecendo no cargo de 1982 a 1985. Foi Vice-Presidente da Assembléia de Deus de Guaíba no período de 1989 a 1990.

Foi enviado como missionário na República Oriental do Uruguai de Fevereiro de 1991 a Janeiro de 1994. Secretário da Convenção Missionária na República Oriental do Uruguai no período de 1992 a 1993. Co-Pastor da Assembléia de Deus de Guaíba de 1994 a Fevereiro de 1997. Presidente da Assembléia de Deus de Ivoti desde Fevereiro de 1997. Diretor Presidente do Seminário Teológico Pentecostal Ebenézer. Secretário Executivo de Missões da Secretaria de Missões do Estado do Rio Grande do Sul (SEMADERS) no período de 2003/2005.

Membro do Conselho Consultivo do Concílio de Ministros de Las Asambleas de Dios Del Uruguay. Presidente do Centro de Recuperação de Viciados Desafio Jovem Gideões. Membro do Conselho Consultivo da Além-Mar Missões Transculturais. Relator da Comissão de Comunicação e Imprensa da Convenção Geral das Assembléias de Deus no Brasil (CGADB) no período de 2003/2004. Secretário da Comissão de Doutrina da Convenção Geral das Assembléias de Deus no Brasil (CGADB) no período de julho de 2004 a abril de 2005. Mestrando em Teologia. Acadêmico em Direito e Filosofia. Conferencista no Brasil e no Exterior.

Fonte: Assembléia de Deus de Porto Velho

3ª Parte – Pregação Pr. Márcio Valadão – 13/11/05 – Lagoinha

JACÓ

4298
JACÓ, o enganador, transformado em ISRAEL, o príncipe de
Deus
Nenhuma personagem da Bíblia representa mais claramente que
Jacó o conflito entre os altos e baixos da natureza humana.
Começando em uma descendente, às vezes alcançava grandes
alturas, porém outra vez afundava-se na sórdida luta pela
ganância. Mas alcançou por fim o nível da fé triunfante.
Nenhum leitor que estude com fervor a história do curso da vida
desse homem duvidará de que, apesar de todas as suas
debilidades, foi um instrumento escolhido por Deus.
Pensamentos-chave. Duas verdades principais iluminam sua
vida.
1. A infelicidade produzida por problemas familiares e a
poligamia. Esse fato é ilustrado ao longo de sua vida.
2. O poder transformador da comunhão com Deus. Essa
verdade brilha claramente nas experiências mais elevadas desse
escolhido. O diagrama de sua vida espiritual ilustra os elementos
humanos e divinos manifestados no ser humano. A linha curva
marca os níveis altos e baixos de sua vida.
I. Seus primeiros anos: descida, problemas domésticos
Nota: As letras referem-se aos pontos no diagrama.
A. Compra de seu irmão Esaú os direitos de primogenitura, Gn
25:29-34
B. Engana seu idoso pai, 27:1-29
C. Vê-se forçado a fugir para salvar a vida; vai para Padã-Arã a
fim de escolher sua esposa, 27:41; 28:1-5
Uma experiência noturna em alto nível:
D. A visão espiritual e o voto em Betel, Gn 28:10-22
II. Em Harã: os problemas familiares continuam
E. Decepção no romance devido ao engano, 29:15-30
F. Sórdida luta com o sogro e o ciúme entre as esposas
G. Movimento ascendente: o chamado divino para regressar à
terra prometida, 31:3; parte em segredo, mas o sogro o
persegue, 31:22-55
H. No caminho da obediência, encontra-se com mensageiros
angelicais, 32:1,2
Outra grande experiência espiritual:
I. Alarmado pela aproximação de seu irmão com quatrocentos
homens, recorre à oração, 32:3-12
J. Passa uma noite lutando com Deus, em súplica desesperada;
sai vitorioso e recebe novo nome, Israel, 32:24-32; encontro
afetuoso com o irmão Esaú, 33:1-16
K. Sua filha Diná é desonrada, 34:1-5
L. Devido à vingança dos filhos, passa a enfrentar dificuldades,
34:7-31
M. Quando chega a Betel, lembra da visão que teve ali e erige
um altar, 35:1-15
III. Seus últimos anos: os problemas domésticos continuam
N. A parcialidade paterna e os ciúmes dos irmãos fazem José ser
vendido ao Egito, 37:1-36
O. Outros problemas familiares, 38:1-30
P. O êxito de José e seu chamado divino ao Egito, caps. 39, 40,
41, 42, 43, 44, 45; 46:1-4
Seus últimos dias:
Q. À beira da morte, abençoa os netos e filhos, caps. 48 e 49
R. Muitos crêem que ele profetizou a vinda do Messias, 49:10
Características de Jacó: v. 1910.

2ª Parte – Pregação Pr. Márcio Valadão – 13/11/05 – Lagoinha

ABRAÃO

4295
ABRAÃO, o peregrino espiritual
Introdução. O estudo da vida de Abraão é importante porque
ele foi escolhido por Deus para converter-se no pai de uma nova
nação espiritual. Foram plantadas sementes em seu coração das
quais brotaram resultados maravilhosos para todos os crentes do
futuro. Foi um grande líder espiritual.
Seu chamado. Enquanto vivia com o pai em Harã, recebeu uma
mensagem do Senhor que o intimava a separar-se das antigas
companhias e ir para outro país. Foi-lhe prometida graça divina,
grande prosperidade e que se converteria em bênção para todas
as famílias da terra.
Abraão obedeceu ao chamado e assim tornou-se o líder dessa
inumerável família de crentes que têm conhecido a nação cujo
arquiteto e construtor é Deus, Gn 12:1-4; Hb 11:8-10.
A maioria dos acontecimentos importantes do curso de sua vida
tem relação com suas viagens. O mapa mostra alguns pontos
importantes de suas jornadas (v. 4318).
I. De Ur a Harã, Gn 11:31: morte de seu pai, Gn v. 32
II. De Harã a Siquém, 12:1-6: aparição divina, v. 7
III. De Siquém a Betel, 12:8: edifica um altar e faz uma oração
IV. De Betel ao Egito, 12:9-11a: nega que Sara seja sua esposa,
v. 11b-13
V. Regresso a Betel: faz uma oração, 13:1-4
VI. De Betel a Hebrom: edifica um altar, 13:18
VII. De Hebrom a Damasco: persegue os ladrões, resgata Ló e
recupera seus bens, 14:1-16
VIII. Regresso a Hebrom: dá dízimos a Melquisedeque, 14:16-20;
a promessa de um filho é reiterada, 15:3-5; nasce Ismael, 16:15;
o pacto é renovado, 17:1-8; recebe novo nome, 17:5;
intercessão por Sodoma, 18:23-32
IX. De Hebrom a Gerar, 20:1: cumpre-se o pacto, com o
nascimento de Isaque, v. 1-3
X. De Gerar a Berseba: faz pacto com Abimeleque, 21:27-34
XI. De Berseba ao monte Moriá: constrói um altar, e Isaque é
preparado para ser oferecido em sacrifício, 22:1-14
XII. Regresso a Berseba, 22:19
XIII. De Berseba a Hebrom: sua morte e sepultamento, 25:8-10
Eventos e experiências notáveis de sua vida
O chamado divino, Gn 12:1.
O pacto divino, Gn 12:2,3; 17:1-6.
A demora divinano cumprimento da promessa de um filho
(comp. Gn 12:4 com 21:5). Passam-se mais de vinte anos até
Isaque nascer.
Seu grande erro, Gn 16:3 — o plano de Sara para “ajudar” ao
Todo-Poderoso.
Sua intercessão pelas cidades da planície, 18:23-32.
O cumprimento de suas esperanças no nascimento de Isaque,
Gn 21:5.
A difícil prova, Gn 22:1,2.
Sua fé e obediência extraordinárias, Gn 22:3-10.
Sua maior necessidade é suprida, Gn 22:11-13.
Características de Abraão: v. 14.

Ver tb: Gn 11:27, Gn 11:31, Gn 12:1, Gn 13:1, Gn 13:12, Gn
14:14, Gn 15:1, Gn 16:3, Gn 17:1, Gn 18:10, Gn 20:1, Gn 21:2,
Gn 22:1, Gn 23:2, Gn 24:1, Gn 25:1, Gn 25:6, Gn 49:31, 2Cr
20:7, Ne 9:7, Sl 105:6, Is 51:2, Mt 1:2, Mt 8:11, Mt 22:32, Mc
12:26, Lc 1:73, Lc 13:16, Lc 13:29, Lc 20:37, Jo 8:39, Jo 8:56,
At 3:13, At 7:2, At 7:32, At 13:26, Rm 9:7, Rm 11:1, Gl 3:6, Gl
3:16, Gl 4:22, Hb 6:13, Hb 11:8, Tg 2:23, 1Pe 3:6

1ª Parte – Pregação Pr. Márcio Valadão – 13/11/05 – Lagoinha

NOÉ

4294
NOÉ, o construtor da arca
Origem e primeiros anos. Nada se sabe sobre a parte inicial de
sua vida. Aparece pela primeira vez nas Escrituras com
quinhentos anos de idade.
Seu bisavô Enoque foi homem extremamente piedoso e, pela
graça divina, escapou da morte. Foi trasladado, Gn 5:22-24; Hb
11:5.
Seu avô Matusalém foi o homem que mais viveu, Gn 5:25-27.
Seu pai chamava-se Lameque, aparentemente homem religioso,
que deu ao filho o nome que significa “descanso”, Gn 5:29.
Condições da sociedade na época. Noé viveu em uma época
irremediavelmente corrupta. A humanidade tornara-se tão
depravada que o Senhor determinou destruir a raça humana, Gn
6:1-7. Em meio a essa escuridão moral, a vida de Noé brilhou
com sua justiça, Gn 6:8,9.
Seu chamado. Devido à maldade então existente, Deus revelou
a Noé que enviaria um grande dilúvio a fim de exterminar o
homem da face da terra.
Deus encarregou-o de realizar uma tarefa estranha e impossível
do ponto de vista humano. construir um imenso barco para
preservar a vida da família e de certas espécies do reino animal.
A magnitude de tal tarefa é difícil de entender. Noé estava
rodeado de incrédulos malvados que riam de seu trabalho.
Converteu-se em motivo de zombaria. No entanto, manteve a fé
e continuou o trabalho ano após ano, tarefa que para os vizinhos
parecia indicar que ficara louco.
Considerando seu meio ambiente, a grandiosidade da obra para a
qual foi chamado e tantos anos de trabalho árduo, destaca-se
como insuperável, ou talvez inigualável, entre todas as
personagens bíblicas com fé persistente.
A arca. Não é possível determinar com exatidão as dimensões da
arca, pois estão especificadas em côvados antigos. Para nossos
cálculos, consideramos a medida de 45 cm. (Quanto ao tempo
investido na construção, comp. Gn 5:32 com 7:6.)
Noé aparentemente admoestava o povo enquanto trabalhava na
arca, 2Pe 2:5.
Os dias imediatamente anteriores ao Dilúvio. A reunião dos
animais e a entrada de Noé e sua família na arca, Gn 7:1-16. O
Senhor fecha a porta da arca, Gn 7:16.

A ARCA

Acontecimentos durante e depois do Dilúvio. A duração do
dilúvio, Gn 7:24; a diminuição das águas, 8:3; o repouso da arca
sobre a terra, 8:4; o envio das aves, 8:6-12; a saída da arca,
8:15-18.
Noé edifica um altar e oferece um sacrifício, 8:20; é honrado por
um pacto eterno, 9:9-17; planta uma vinha e cede à tentação,
9:21; morre, 9:28,29. (Outras referências, v. 2826.)

Ver tb: Gn 5:29, Gn 6:8, Gn 7:1, Gn 7:13, Gn 8:1, Gn 8:20, Gn
9:1, Gn 9:17, Gn 9:29, 1Cr 1:4, Ez 14:14, Lc 17:26, Hb 11:7,
2Pe 2:5

Congresso da Estação Caminho, Caio Fabio Parte 1A

Pregação Reverendo Caio Fabio